Siga-nos nas redes sociais

Sociedade

Oportunidades e tendências de negócios para 2021

Publicado

em

Apesar de simbólica, a passagem de ano pode ser uma altura inspiradora e catalisadora de uma mudança efetiva na nossa vida. Há quem deixe de fumar, há quem prometa passar a cuidar do corpo e há quem, pura e simplesmente, decida arriscar e dar vida a um novo projeto profissional.

Para quem olha para 2021 como o ano perfeito para apostar na abertura de um negócio, mas ainda não sabe bem em quê, este artigo pretende dar-lhe um vislumbre das oportunidades e tendências de negócios para o ano que agora começou.

Levantando um pouco o véu ao que lhe preparamos, podemos afirmar sem grande surpresa que os negócios online dominam claramente a lista.

Seja pelas limitações decorrentes da pandemia que faz penar o comércio tradicional, mas que alimenta o crescimento do e-commerce ou seja pela vasta gama de recursos e ferramentas de venda que o canal online oferece, a Internet afigura-se como o ecossistema perfeito para se lançar um novo negócio ou abrir a janela de oportunidades a um já existente.

Investimento inicial

Uma das grandes vantagens dos negócios online é o pouco investimento inicial de que necessitam. Vender cosméticos ou vestuário através de um marketplace de uma rede social é, se excluirmos os produtos que terá de comprar para depois vender e os impostos, virtualmente gratuita. Mesmo que pense em criar uma plataforma mais profissional, os gastos serão incomensuravelmente inferiores a ter que alugar um espaço e pagar renda sobre ele todos os meses.

Ainda assim, um investimento inicial, mesmo que pequeno, ser-lhe-á sempre útil. Aparte os incentivos financeiros oferecidos por agências governamentais e associações de empresas, quando o valor a investir é residual, pedir um crédito pessoal pode afigurar-se como a saída mais simples e rápida.

Tome-se como exemplo a solução de crédito pessoal Unibanco. Os serviços de crédito pessoal online do Unibanco consubstanciam-se numa panóplia de ferramentas e serviços que transformam o ato de pedir um empréstimo pessoal numa tarefa que, além de simples e rápida.

Através do simulador de crédito pessoal que o Unibanco coloca à disposição no seu site, o empreendedor pode calcular um montante de financiamento que varia entre 5 mil e 75 mil euros para prazos de pagamento que vão dos 24 aos 84 meses. Depois de determinado o montante e o prazo de pagamento do empréstimo que mais lhe convém, aderir a este crédito pessoal é rápido e fácil, uma vez que o Unibanco disponibiliza a adesão digital aos seus produtos.

Para além da rapidez da adesão, das mensalidades fixas e do seguro, este crédito pessoal online está disponível para clientes de qualquer banco.

Resolvido o problema do financiamento, vamos dar-lhe a conhecer algumas tendências e oportunidades de negócio que 2021 tem reservado para si. Comecemos pelas tendências.

Oportunidades e tendências de negócios para 2021

Lojas online

Como referimos, a pandemia ajudou a um crescimento expressivo do e-commerce em todo o mundo e Portugal não foi exceção.

De acordo com uma estimativa realizada pela Associação da Economia Digital (ACEPI), e noticiada pelo Jornal Sol, esta área de negócio deve ter atingido, no nosso país, um valor global de 110,6 mil milhões de euros em 2020, mais 14,6 mil milhões do que em 2019.

O crescimento no número de compradores online, aumento no volume e frequência das compras e a aceleração da transformação digital dos negócios são alguns dos fatores que contribuem para a pujança do e-commerce entre nós.

A tendência é para que esta democratização do comércio eletrónico prossiga em 2021, tornando o investimento na abertura de uma loja online um negócio com futuro. Vestuário, alimentos Vegan e produtos Artesanais, serão as áreas de negócio com maior saída nesta vertente.

Dropshipping

Se quer simplificar ainda mais o seu investimento na área das vendas online, o dropshipping afigura-se como o terreno ideal. Ao adotar este sistema na sua loja virtual, terá apenas que se preocupar com o marketing e venda dos produtos. Armazenamento e entrega estarão a cargo de terceiros.

Em termos simples, depois de vender um produto, a ordem da transação seguirá para o fornecedor que, por sua vez, fará o envio do produto em nome da sua loja para o cliente final.

A sua margem de lucro resultará da diferença entre o valor cobrado pelo fornecedor e o preço anunciado aos clientes no seu site.

Rastreamento e Informação

O rastreamento de pessoas (medição de temperatura) em aeroportos, metro, museus, estádios, etc. será uma prática comum, pelo que empresas com base tecnológica nesta área irão ser beneficiadas.

Simultaneamente, empresas que, em tempo real, disponibilizem informação aos viajantes, conselhos de saúde e segurança ou a possibilidade de check-ins automatizados, poderão ver surgir oportunidades no ano em que as viagens turísticas ainda estarão condicionadas pela pandemia.

Desenvolvimento de jogos mobile

A indústria do gaming mobile é um dos setores que goza atualmente de maior crescimento a nível global, tendo sofrido uma valorização superior a 800% desde 2010. Para 2021, as previsões indicam que a categoria de jogos mobile poderá valer mais de 160 mil milhões de euros o que, só por si, se afigura como uma boa oportunidade de negócio para quem tem conhecimentos na área ou consiga reunir uma equipa de especialistas.

As apps dos jogos desenvolvidos podem ser publicadas pelo Google Play, App Store e Windows Phone Store bastando para isso registar-se como como pessoa física ou jurídica e pagar uma taxa única para publicar e vender a aplicação.

Serviços de entregas

Num cenário em que, volta e meia, as lojas fecham e as pessoas são obrigadas a confinarem-se, os serviços de entrega de compras ou refeições ao domicílio sofreram um boom tremendo. Apesar da enorme competição, este tipo de serviços vai continuar a ser uma boa aposta de negócio em 2021.

Infoprodutos

Com certeza já ouviu falar em audiobooks, ebooks ou vídeos que nos iniciam na aprendizagem de uma nova língua. A Internet está pejada deles. Estes artigos denominam-se de “infoprodutos” e foram, em 2020, os produtos digitais com mais saída no mercado. Com a pandemia sem dar mostras de abrandar e os confinamentos mais ou menos duros a obrigar milhões de portugueses a reservarem-se a suas casas, o consumo deste tipo de produtos continuará em alta em 2021.

Apostar na criação de um infoproduto da sua autoria em que disponibiliza, em formato vídeo-aulas, conhecimentos que podem ser úteis a outras pessoas e fazer com que quem esteja interessado lhe pague, é uma boa perspetiva de negócio.

Plataformas como o YouTube ou o Hotmart tornam fácil a monetarização do seu conteúdo ajudando-o a transformar o seu hobbie num negócio lucrativo.

Serviços de TI

Cloud computing e segurança da informação, responsáveis pela implementação do home office em empresas, são dois dos segmentos de Tecnologias da Informação que mais estão a estão a crescer e que, dadas as circunstâncias atuais, irão perseverar em 2021.

Sociedade

Estilista famalicense veste Cristina Ferreira. Look arranca elogios

Publicado

em

Por

Na última gala do programa All Together Now Cristina Ferreira usou um vestido do estilista famalicense Gonçalo Peixoto. A apresentadora partilhou na sua conta de Instagram uma fotografia com o look completo. Era composto pelo vestido acetinado de festa em tons claros com um laço na cintura e apenas uma manga, da autoria de Gonçalo Peixoto, e ainda umas sandálias da sua própria coleção – a Cristina Collection.

“Numa noite dos mais pequenos o vestido é do grande Gonçalo Peixoto, jurado do ‘All Together Now”, escreveu a apresentadora aquando da partilha do look.

“Uauuu…que arraso!!!! Lindíssima”, “Agora sim amo o vestido” ou “Parabéns a quem produziu e a quem veste. Linda!”, são apenas alguns dos comentários escritos na publicação da comunicadora.

O famalicense Gonçalo Peixoto foi um convidados do último programa dedicado aos mais novos. O estilista esteve recentemente à conversa com a Fama Rádio e Televisão aquando da sua participação na semana da moda em Milão. Reveja a entrevista aqui.

Continuar a Ler

Sociedade

Estudo da Universidade do Minho aponta benefícios do café para a atividade cerebral

Publicado

em

Por

Um investigador da Universidade do Minho (UMinho) concluiu que consumidores de café têm melhor controlo motor, maiores níveis de atenção e alerta e que a cafeína tem “benefícios na aprendizagem e na memória”, divulgou hoje aquela instituição.

Em comunicado, a UMinho aponta que o estudo, liderado pelo investigador do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) Nuno Sousa e publicado na revista Molecular Psychiatry, “oferece uma perspetiva única nas mudanças estruturais e de conectividade que acontecem no cérebro de quem bebe café regularmente”.

O também presidente da Escola de Medicina da UMinho percebeu que, quando em repouso, quem bebe café com regularidade tem “um reduzido grau de conectividade em duas áreas do cérebro (conhecidas como precuneus direito e insular direito), indicando efeitos como uma melhoria no controlo motor e nos níveis de alerta (ajudando na reação ao estímulo) em comparação com quem não bebe café”.

A investigação encontrou “padrões de maior eficiência noutras áreas do cérebro, como o cerebelo”, consistente com efeitos “como a melhoria do controlo motor” e “uma maior atividade dinâmica em várias áreas do cérebro” a que se junta “uma notória melhoria” na aprendizagem e na capacidade de memória.

As diferenças no cérebro, observadas em quem bebe café regularmente, foram também notadas num grupo de pessoas que não bebem café após consumirem um copo daquela bebida: “Este indicador é surpreendente, demonstrou uma capacidade do café em impor mudanças em curtos períodos de tempo e torna o café o gatilho dos efeitos”, refere o texto.

A investigação usou uma tecnologia apelidada de ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla inglesa) para comparar a estrutura e conectividade no cérebro de um grupo de pessoas que bebe café diariamente com a de um grupo de pessoas que não bebe café.

O projeto é apoiado pelo Institute for Scientific Information on Coffee.

Continuar a Ler

Sociedade

Covid-19: no Brasil medicamentos falham para pacientes ventilados

Publicado

em

Por

O Governo brasileiro começou hoje a entregar novos lotes de medicamentos para aliviar a dor dos doentes com covid-19 ventilados, mas a quantidade é insuficiente para fazer face ao aumento de contágios. 

A necessidade desse tipo de medicação aumentou à medida que o número de casos disparou e deixou o Brasil com um registo de quase 370.000 mortes e cerca de 13,8 milhões de infeções pelo novo coronavírus.

Segundo o Ministério da Saúde, trata-se do chamado “kit de intubação”, composto essencialmente por três tipos diferentes de sedativos, necessários para o processo de intubação traqueal de pacientes em estado grave.

Segundo o ministério da tutela, 2,3 milhões desses ‘kits’, doados por empresas privadas e importados da China, serão distribuídos por todo o país este fim de semana, mas esse número, segundo a Confederação Nacional de Municípios, é insuficiente para satisfazer as necessidades crescentes nas 5.570 cidades do país.

A organização informou que pelo menos 975 destas localidades têm os sedativos necessários, em média, para os próximos quatro dias, e instou a assegurar a distribuição de medicação no mais curto espaço de tempo possível.

Um dos estados onde a situação é crítica é São Paulo, o mais populoso do país, com 46 milhões de habitantes, que este fim de semana se prepara para receber 400.000 ‘kits’, um fornecimento que, segundo as autoridades locais, é suficiente apenas para “alguns dias”.

Tanto o Ministério da Saúde como as organizações que reúnem os governadores e presidentes de municípios do Brasil iniciaram negociações com outros países e com as Nações Unidas para tentar garantir tanto estes sedativos como oxigénio medicinal, que também começou a escassear em pelo menos 400 cidades, de acordo com dados oficiais.

Uma das doações confirmada chegará de Espanha, que enviará para o Brasil “várias toneladas” de ajuda médica, no âmbito das conversações entre o Governo brasileiro e a União Europeia (UE).

O Ministério dos Negócios Estrangeiros informou hoje que o país vai receber em maio, sem apontar uma data, quatro milhões de doses da vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca.

Segundo um comunicado da tutela, será um lote da iniciativa Covax Facility, promovida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), através da qual o Brasil reservou 42 milhões de doses da vacina contra a covid-19, mas recebeu até agora apenas um milhão de unidades. 

De acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde, 28,5 milhões de pessoas no Brasil foram vacinadas, mas só sete milhões receberam as duas doses necessárias para ficarem imunizadas.

Também de acordo com informação oficial, dos 210 milhões de brasileiros, 77,2 milhões estão entre os “grupos prioritários”, que incluem pessoas consideradas “em risco”.

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, admitiu hoje existirem problemas na obtenção de medicamentos e vacinas, mas, no caso dos antigénios, voltou a apostar na produção interna, que deverá começar em força no segundo semestre deste ano.

A produção local será dos laboratórios Butantan e FioCruz, que têm acordos para produzir no país a vacina AstraZeneca-Oxford e com o laboratório chinês Sinovac.

“Existem dificuldades de saúde a serem ultrapassadas. Temos muitos pacientes que necessitam de cuidados intensivos e intubação traqueal, mas estamos à procura dos fornecimentos necessários, apesar da escassez nos mercados nacionais e internacionais”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.000.955 mortos no mundo, resultantes de mais de 139,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

AYR // HB

Lusa/Fim.

Continuar a Ler

PODCASTS FAMA RÁDIO

TV

Jornal

Artigos recentes

ARQUIVO

Redes

Tendências