Siga-nos nas redes sociais

Cultura

“Seis Meses Depois” na Casa das Artes de Famalicão

Publicado

em

Este espetáculo de Dança, em coprodução com o Teatro Nacional D. Maria II, Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão e Município de Loulé, sobe ao palco do grande auditório da Casa das Artes de Famalicão, sábado, 3 de Outubro, às 21:30…

SEIS MESES DEPOIS

25 ANOS DA COMPANHIA OLGA RORIZ

3 DE OUTUBRO, SÁBADO, 21:30
GRANDE AUDITÓRIO
ENTRADA: 10 EUROS
CARTÃO QUADRILÁTERO, ESTUDANTES E SÉNIORES: 5 EUROS
M/12 ANOS
DURAÇÃO: 90 MINUTOS

Sinopse
Caminhamos de intemporalidade em intemporalidade, num espaço celestial entre telas de cinema. A resiliência dos corpos de mãos dadas recuperam os lugares ao longe, num presente que se escapa por entre os pés. Seis meses depois uma entropia paira em todas as partículas. Tudo congelado! Já morremos, ou iremos morrer. Seremos breves como o primeiro sopro que engolimos à nascença. Levitamos ou confundimo-nos com as raízes de densas florestas. Não importa onde estamos, se no ar ou no mar, as moléculas continuam perdidas. Queremos dizer o gesto entre cores fortes, clarões e escuridão. Queremos rasgar as paredes que nos separam e projetarmo-nos num campo de papoilas a perder de vista, sem dimensão, imensurável, como naquele sonho onde nenhum de nós quis acordar. Podemos criar o apocalipse, fazer de Autópsia o único lugar habitável do planeta e em 1, 2, 3, quantos avistar a onda gigante subir à grua mais alta e ficar ali para sempre no isolamento da memória. Adeus sistema solar.

Em 37 horas, 4 minutos e 12 segundos a Terra irá colidir com Júpiter. E lá se vai o microcosmos e o macrocosmos, o átomo, a molécula, os protões e os neutrões. Lá se vai a física quântica a epigenética e mais os rebuçados do Dr. Bayar. Lá se vão os genes homeóticos, a medicina orto molecular e as radiações eletromagnéticas.

Não haverá Chakra que nos valha nem coerência que nos salve. Não haverá chave genética que nos abra mais porta nenhuma. Adeus humanidade.
Olga Roriz | 23 Nov. 2019

Após em “Autópsia” termos refletido sobre o impacto negativo que o ser humano tem vindo a causar ao planeta, “Seis meses depois” parte para uma reflexão sobre a humanidade que perdura em cada um de nós, apesar de a sociedade nos consumir, formatar e massificar. Num futuro próximo, algo humanos, semideuses ou heróis, imaginamos a nossa existência em sete personagens ao acaso. Tony Fargo 77, Zhora Fuji, Naoki 21, Dawnswir, Gael Bera Falin, Kepler 354 e Priscilla Noir são uma espécie de clones que habitam a cidade de Tannhauser, o ano é 2307 no planeta Terra 3.
Olga Roriz |10 Dez. 2019

Ficha artística e técnica
Direção: Olga Roriz
Intérpretes: André de Campos, Beatriz Dias, Bruno Alves, Bruno Alexandre, Francisco Rolo, Marta Lobato Faria e Yonel Serrano
Seleção musical: Olga Roriz e João Rapozo
Conceção da banda sonora: João Rapozo
Cenografia e figurinos: Olga Roriz e Ana Vaz
Desenho de luz: Cristina Piedade
Conceção vídeo: Olga Roriz e João Rapozo
Captação e Pós-produção vídeo: João Rapozo
Apoio à criação: Catarina Câmara
Assistência de cenografia: Daniela Cardante
Assistentes de ensaios: Ana de Oliveira e Silva e Andreia Alpuim
Montagem e operação de luz e vídeo: João Chicó | Contrapeso
Montagem e operação de som: Pontozurca
Apoios 25 anos Companhia Olga Roriz
SPA – Sociedade Portuguesa de Autores
RTP – Rádio Televisão Portuguesa
Fotografia: Paulo Pimenta

Companhia Olga Roriz
Direção | Olga Roriz
Produção e digressões | António Quadros Ferro
Gestão | Magda Bull
FOR Dance Theatre e Residências | Lina Duarte
Estagiário de produção | Sérgio Brito Moreira
A Companhia Olga Roriz é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes
“Seis meses depois” marks the 25th anniversary of Olga Roriz’s dance company

Cultura

Faleceu o ator Cândido Ferreira

Publicado

em

Por

Faleceu vítima de cancro o ator português Cândido Ferreira, avançou esta quarta-feira a TSF. A informação foi confirmada pelo filho do ator, o realizador Ivo Ferreira.

Durante a sua vasta carreira passou pelo teatro, televisão e cinema português.

o seu percurso iniciou-se no Teatro Operário de Paris, com Hélder Costa, em 1971. Anos mais tarde, em Portugal, tornou-se num dos membros do grupo ‘O Brando’, onde trabalhou 12 anos. 

Na televisão, participou em projetos de sucesso como em ‘Conta-me Como Foi’, em 2010, ou ‘Belmonte’, em 2014, e no cinema, como em ‘Herdade’, de 2019, ou em ‘Cartas da Guerra’ – um filme do filho Ivo Ferreira, de 2016. 

Continuar a Ler

Cultura

Portugal vai receber concerto teste-piloto com 1 000 pessoas

Publicado

em

Por

Decorrerá na cidade de Coimbra o terceiro concerto teste-piloto em Portugal. O evento está agendado já para o próximo dia 8 de maio com uma plateia em pé de 1000 pessoas que terão de apresentar um teste antigénio negativo.

Entre os artistas convidados estão  Anaquim, The Twist Connection, Birds are Indie e Portuguese Pedro.

O concerto tem hora marcada para as 20h30, na Praça da Canção. As pessoas estarão divididas em “grupos de 250, em que o uso da máscara e a apresentação do teste rápido antigénio negativo feito no dia do espetáculo é obrigatório”, afirma a Câmara Municipal de Coimbra em comunicado.

Os bilhetes têm um custo de dois euros e o preço contempla o do teste antigénio à presença do SARS-CoV-2. Caso o teste dê positivo, o valor do bilhete será reembolsado.

Continuar a Ler

Cultura

Depois de vários meses parados, cinemas recebem 49 mil pessoas

Publicado

em

Por

Desde a reabertura da salas de cinema por todo o país, no passado dia 19 de abril, foram cerca de 49 mil as pessoas que os visitaram.

Até esta quarta-feira, dia 28 de abril, contabilizam-se 273 mil euros de receita de bilheteira e o filme mais visto foi “Nomadland – Sobreviver na América”, de Chloé Zhao, com 18.986 espectadores em dez dias. O segundo lugar é ocupado por “Mortal Kombat”, de Simon McQuoid, com 11.917 espectadores.

As informações avançadas pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) revelam ainda que nem todas as salas do país voltaram a abrir portas depois deste segundo confinamento.

Relativamente às regras impostas pela pandemia de Covid-19, mantém-se a obrigatoriedade de uso de máscara, de distanciamento, de higienização dos espaços e de definição de circuitos de circulação.

Continuar a Ler

PODCASTS FAMA RÁDIO

TV

Jornal

Artigos recentes

ARQUIVO

Redes

Tendências