Siga-nos nas redes sociais

Cultura

Resultados dos eventos-teste portugueses não serão divulgados

Publicado

em

Um “erro informático” está na origem da não divulgação dos resultados referentes aos eventos-teste portugueses, levados a cabo nas cidades de Braga, Coimbra e Lisboa.

Os participantes dos eventos tiveram de seguir apertadas normas tais como a apresentação de um teste negativo à Covid-19, bem como o uso de máscara durante todo o espetáculo e a obrigatoriedade de manter o distanciamento social.

Agora, sabe-se que, afinal, não há conclusões a reter destes eventos uma vez que a Direção Geral de Saúde, uma das entidades que definiu as normas a respeitar, não avisou a organização que era necessário o número de utente de cada um dos participantes.

“O que nos foi inicialmente pedido pelas autoridades de saúde foi para enviarmos um ficheiro com o nome e o número do cartão de cidadão de cada participante nos eventos-piloto. Fizemos isso. Depois a Direção-geral da Saúde disse-nos que houve um problema com o informático e que afinal era necessário o número de utente dos espectadores”, esclareceu ao Expresso o diretor-geral da promotora de espetáculos Everything is New, Álvaro Covões.

O responsável classificou o sucedido como um “erro informático”, acrescentando ainda que, mesmo que os resultados estivessem à vista, não teriam muita utilidade.

“Quando foram planeados era para encontrar soluções para salvar o verão. Mas a partir do momento em que foi anunciado que até 31 de agosto não há festas nem romarias e que os espetáculos são equiparados a casamentos, os eventos-piloto não têm interesse nenhum”, disse ainda.

Cultura

Artista dinamarquês fugiu com 70 mil euros de museu e chamou-lhe “obra de arte”

Publicado

em

Um museu dinamarquês quer que um artista devolva cerca de 534 mil coroas norueguesas (equivalente a 72 mil euros), que recebeu em notas para serem incorporadas em obras de arte, ​depois de ter exposto telas em branco com o título “Pegue no dinheiro e corra”.

Jens Haaning, um artista dinamarquês, tinha feito um acordo com o Museu Kunsten, no norte da Dinamarca, de que usaria as notas para recriar um par de obras de arte de 2007 e 2010, que mostrava a diferença entre o salário anual de um austríaco e de um dinamarquês. No entanto, quando o museu abriu a caixa que Haaning entregou para a instalação, teve uma surpresa: o dinheiro tinha desaparecido, as telas estavam em branco e o título da obra de arte tinha sido alterado.

“Ele provocou a minha equipa curatorial e também me provocou um pouco, mas eu também ri porque era muito humorístico”, disse Lasse Andersson, diretor do museu na cidade de Aalborg, em declarações à “BBC”, acrescentando, porém, que o dinheiro precisava de ser devolvido. “É o dinheiro do museu e temos um contrato a dizer que o dinheiro será devolvido no dia 16 de janeiro”, disse.

Essa não parece ser a intenção de Haaning. Ao jornal local “dr.dk”, o artista de 56 anos garantiu que vai ficar com o dinheiro. “A obra de arte é que eu fiquei com o dinheiro deles”, afirmou. “Não é roubo. É uma quebra de contrato e a quebra de contrato faz parte do trabalho”.

Segundo Hanning, a obra foi concebida em retaliação ao que ele considera uma remuneração irrisória por ser incluído na exposição. “Encorajo outras pessoas que têm condições de trabalho tão miseráveis quanto eu a fazer o mesmo”, afirmou.

O artista disse ainda que recriar os seus trabalhos anteriores teria custado 25 mil coroas norueguesas (2470 euros) do seu próprio bolso e que fazê-lo faria perder o sentido dos originais. “Por que deveríamos mostrar um trabalho com 11 anos que é sobre a Dinamarca ou um sobre o relacionamento da Áustria com um banco há 14 anos?”, questionou.

O diretor do museu refuta a alegação de Haaning de que o museu não concordou em pagar o seu serviço de forma justa. “Acabámos de assinar um acordo com a associação de artistas dinamarquesa que aumenta o valor que os artistas recebem quando estão em exposição”, explicou. “Acho que Jens quebrou o acordo”.

De acordo com a “Bloomberg”, o Museu Kunsten está a considerar a possibilidade de envolver a polícia no caso se Hanning não devolver o dinheiro até ao final da exposição em janeiro de 2022.

Continuar a Ler

Cultura

Liam Gallagher dedicou ‘Live Forever’, dos Oasis, a Charlie Watts.

Publicado

em

Liam Gallagher homenageou Charlie Watts, falecido baterista dos Rolling Stones, com uma das canções mais famosas dos Oasis: ‘Live Forever

O músico atuou esta sexta-feira no festival de Leeds, e relembrou o baterista com uma performance emotiva daquela que já disse ser a sua canção preferida dos Oasis.

“O Charlie Watts está, provavelmente, a divertir-se à grande lá em cima”, acrescentou ainda. Veja o vídeo.

Continuar a Ler

Cultura

Pixies encabeçam o festival Paredes de Coura 2022

Publicado

em

O festival Paredes de Coura divulgou hoje os 20 primeiros nomes para a próxima edição, que se realiza de 16 a 20 de agosto de 2022.

Pixies e IDLES encabeçam esta primeira ‘investida’ do festival courense. Eram nomes já anunciados para as edições que se viram canceladas. Veja a lista completa das confirmações divulgadas este sábado:

Pixies
IDLES
The Blaze
Slowthai
Tommy Cash
BadBadNotGood
The Comet Is Coming
Yellow Days
Parque Courts
Ty Segall & Freedom Band
Yves Tumor
Alex G
Beabadoobee
Molchat Doma
Viagra Boys
The Murder Capital
L’Impératrice
Mall Grab
Nu Genea Live Band
HAAi

A partir de terça-feira, 24 de Agosto, às 12h00, e por um período de 72 horas, os passes para o festival custam 110 euros nos locais habituais. A partir de sexta-feira, às 12h00, o preço passa a ser 120 euros, refere a organização, que também apresenta informações sobre as trocas de passes para as edições que se viram adiadas: “poderá também ser efetuada a partir da mesma data, online e em loja, mediante o local onde foi adquirido. Os detalhes sobre como fazer esta troca ficam disponíveis na mesma data, no site oficial do festival”.

Continuar a Ler

TV

RÁDIO FAMA Q

PODCASTS FAMA RÁDIO

Artigos recentes

ARQUIVO

Redes

Tendências